RJ: (21) 2518-3099 | DEMAIS ESTADOS: 4003-3367

Os efeitos da Covid-19 no trabalho doméstico

Os efeitos da Covid-19 no trabalho doméstico

Dados divulgados pelo IBGE apontam o estrago no mercado de trabalho formal e informal causado pela pandemia

MP 936

DESCUBRA POSSÍVEIS PENDÊNCIAS NO SEU ESOCIAL

Auditoria gratuita completa

Dados divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE, quanto a Covid-19 no país, a pandemia tem feito um grande estrago no mercado de trabalho formal e informal, com estimativa de que 28.5 milhões de brasileiros estão desempregados, sendo muitos deles, trabalhadores domésticos.

No final de 2019, o emprego doméstico passou de 6.3 milhões para 5.5 milhões até dados apurados no final de maio de 2020. O maior impacto causado no emprego doméstico foi com as diaristas e empregados domésticos informais. De acordo com Mario Avelino, presidente do Instituto Doméstica Legal, entre março e maio pelo menos 50 mil empregados domésticos formais foram demitidos. “Se não houver rapidamente a sanção presidencial para prorrogação do Benefício Emergencial, poderá ter mais demissões, já que muitos empregadores domésticos perderam seus empregos ou renda”.

 

Presidente do Instituto Doméstica Legal avalia a prorrogação da MP 936

Mario Avelino, que trabalhou para a aprovação da MP 936, reforça que os empregadores domésticos não precisam demitir seus empregados, pois o governo está pagando o salário integralmente ou parcialmente, proporcionando assim, uma economiza de 20% no recolhimento do eSocial.

“Parabenizo o Congresso Nacional pela aprovação e prorrogação da Medida Provisória 936, que criou a suspensão temporária do contrato de trabalho e a redução da jornada de trabalho e salário, com o objetivo de manter os empregos evitando o aumento de demissões. Agora só depende da sanção em Lei pelo presidente Jair Bolsonaro e dos vetos que possam ocorrer”, sinaliza o especialista em emprego doméstico.

Com a MP aprovada pelos parlamentares, o governo poderá prorrogar os prazos máximos enquanto durar o estado de calamidade pública. Segundo Avelino, a expectativa é que sem muita demora, seja editado um Decreto pelo governo prorrogando por mais dois meses a suspensão do contrato e por mais 30 dias a redução da jornada e salário.

 

Principais melhorias aprovadas pelo Congresso Nacional na MP 936

Em avaliação realizada por Mario Avelino, ele destaca os seguintes pontos:

  • Permitir que o Poder Executivo prorrogue a suspensão temporária do contrato de trabalho e a redução da jornada de trabalho e salário, sendo mais dois meses de suspensão e mais um mês de redução, respectivamente.
  • A estabilidade continua sendo de um mês para cada mês de suspensão ou redução.
  • Foi incluído o parágrafo único no artigo 4º, determinando que semanalmente o Ministério da Economia divulgue o número de acordos firmados, mais o número de demissões e admissões no período.
  • Dá a opção de o empregado recolher o INSS sobre o valor do Benefício Emergencial pago pelo governo.
  • Foi permitido a dedução da “ajuda compensatória” (opcional ao empregador), pagas a partir de abril/2020, na Declaração Anual de Ajuste do Imposto de Renda do empregador doméstico. “É muito positivo, pois, estimulará os empregadores a fazerem a complementação da redução, paga pelo Benefício Emergencial, mantendo até o salário integral do empregado”, afirma Avelino.
  • No caso de empregadas gestantes, o período de estabilidade adquirido com a suspensão ou redução, será contado após cumprir a estabilidade prevista em lei de 120 dias após o parto.
  • Permite suspender o contrato de trabalho ou reduzir a jornada de trabalho e salário do empregado aposentado. Basta fazer o acordo individual e o empregador doméstico se comprometer em pagar a “ajuda compensatória”. Esta solicitação foi feita pelo Instituto Doméstica Legal ao presidente da República em abril deste ano.
  • Proibida a demissão sem justa causa de empregado com deficiência durante o período de pandemia.
  • Manteve as mesmas alíquotas de contribuição de INSS de 7,5% a 14%, para os empregados que escolherem recolher o INSS sobre o Benefício Emergencial pagos em caso de suspensão do contrato ou redução da jornada e salário.
  • A empregada doméstica gestante poderá ter seu contrato suspenso ou reduzido até o momento que se inicie a licença-maternidade.
  • O empregador poderá interromper o aviso prévio do empregado e colocá-lo em suspensão de contrato ou reduzir sua jornada salário.
  • Os empregados domésticos dispensados sem justa causa durante a pandemia, que não preencha os requisitos de habilitação ao seguro-desemprego, fará jus ao Benefício Emergencial de três parcelas equivalente a R$ 600,00.
  • Os empregados que receberam a última parcela do seguro-desemprego nos meses de março ou abril, terão o direito a receber R$ 600,00 equivalentes ao Benefício Emergencial, pelo período de três meses.

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

Menu do blog

Mais Acessados