RJ: (21) 2518-3099 | DEMAIS ESTADOS: 4003-3367

Lei do trabalho doméstico completa 5 anos em meio à crise econômica causada pelo Covid-19

Lei do trabalho doméstico completa 5 anos em meio à crise econômica causada pelo Covid-19

A Lei Complementar 150 regulamentou os direitos dos trabalhadores e trouxe economia aos empregadores domésticos

Lei do trabalho doméstico

DESCUBRA POSSÍVEIS PENDÊNCIAS NO SEU ESOCIAL

Auditoria gratuita completa

A Lei Complementar 150/2015, que regulamentou os direitos dos trabalhadores domésticos, completa 5 anos no dia 1º de junho, em meio à crise econômica em meio a pandemia causada pelo novo coronavírus. Dados divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, relativos ao último trimestre, houve uma diminuição de 11,8% no número de trabalhadores domésticos, apesar das medidas liberadas pelo governo para preservação do emprego e renda.

Nestes cinco anos, houveram vários altos e baixos no emprego doméstico, e o presidente da Doméstica Legal e Instituto Doméstica Legal, Mario Avelino, fez uma avaliação das melhorias para o trabalho doméstico como todo, durante esse período, além do momento atual o qual temos vivido e seus impactos no trabalho doméstico.

 

A principal melhoria no emprego doméstico desde a aprovação da Lei Complementar 150, a Lei do emprego doméstico

Ao longo dos anos, muitas melhorias surgiram no emprego doméstico, sendo a principal, o aumento de trabalhadores com a carteira de trabalho assinada. Conforme dados divulgados pela Previdência Social em agosto de 2015, haviam 1.190.000 empregados formalizados. Já em 2020, entre os meses de março e maio, já excluindo os trabalhadores que foram atingidos por demissões devido à crise, há 1.450.000 empregados formais. Na avaliação de Avelino, o crescimento da formalização da categoria é notório.

 

E o eSocial, como ficou?

O sistema do governo que permite o gerenciamento do funcionário ao empregador doméstico, também passou por mudanças, e muitas para melhor. A última implementação do portal foi a transferência de titularidade, ação cobrada pelo Instituto Doméstica Legal desde 2015, quando a ferramenta foi lançada.

Saiba mais sobre a transferência de titularidade no eSocial clicando aqui

 

A Reforma Trabalhista foi boa para o emprego doméstico?

De acordo com Mario Avelino, “a reforma trabalhista impactou o emprego doméstico de forma positiva, dando maior segurança jurídica para quem contrata”. Relembre os pontos da Lei que afetou diretamente o emprego doméstico:

  • Criação da demissão por acordo;
  • Contribuição sindical patronal e laboral opcional;
  • Diminuição das ações trabalhistas injustas ou de valores acima do devido, pois se o empregado perder a ação terá de pagar as custas e despesas judiciais gastas pelo empregador;
  • Parcelamento das férias em até dois períodos de gozo para empregados domésticos com idade acima de 50 anos.

Ainda houve a Reforma da Previdência Social, que diminuiu o valor de contribuição de INSS da maioria dos empregados domésticos que ganham até R$ 2.089,60, ação muito importante do governo.

 

O emprego doméstico no Brasil ainda precisa de mudanças?

O número de trabalhadores domésticos formais aumentou, contudo, ainda precisamos dar atenção ao número de trabalhadores informais. Dados do IBGE indicam uma diminuição de 10% nessa formalização. Para cada quatro trabalhadores domésticos, somente um tem a carteira de trabalho assinada.

Muitas coisas ainda precisam ser feitas, e de acordo com Mario Avelino: “o governo deveria investir em campanhas de conscientização dos empregados e, principalmente, os empregadores domésticos, que é mais barato ter uma empregada na Lei do que fora da Lei. Trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Instituto Doméstica Legal há mais de 15 anos”.

O especialista também sugere a aprovação do Congresso Nacional e a sanção pelo Presidente da República, do Projeto de Lei 8.681/17, sugerido pelo Instituto, recriando assim, o Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos (REDOM), que permite o recolhimento do INSS em atraso em até 120 parcelas mensais, com redução de 100% da multa por atraso e redução de 60% dos juros de mora.

“Com este projeto, teremos uma redução nos custos de regularização dos empregadores domésticos, estimulando assim a formalidade na categoria” – conclui Avelino.

 

O Covid-19 e o emprego doméstico em 2020

A sugestão de Mario Avelino é que os empregadores domésticos não demitam seus empregados durante esse período difícil de pandemia. O governo liberou medidas que podem ser usadas até o dia 31 de julho de 2020, sendo elas a suspensão temporária do contrato de trabalho por até 60 dias e a redução de jornada e salário por até 90 dias (podendo ser em 25%, 50% ou 70%). “É importante destacar que o governo irá pagar integralmente ou parte dos salários por meio do Benefício Emergencial (BEm), e o empregador ainda tem a economia do recolhimento de 20% do eSocial. E se o empregador já utilizou os 60 dias de suspensão, ainda poderá reduzir a jornada de trabalho e salário do empregado por mais 30 dias, totalizando 90 dias de economia”, lembra o presidente da Doméstica Legal.

Saiba mais sobre o BEm clicando aqui

A Câmara dos Deputados Federais já aprovou a prorrogação da MP 936, porém ainda falta a aprovação do Senado Federal para ser sancionado pelo Presidente da República, esta ação irá prorrogar o Benefício Emergencial, evitando assim demissões. É um momento delicado que devemos aguardar quais serão as novas medidas adotadas pelo governo.

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

Menu do blog

Mais Acessados