RJ: (21) 2518-3099 | DEMAIS ESTADOS: 4003-3367

Empregador doméstico já pode consultar restituição do Imposto de Renda 2020

Empregador doméstico já pode consultar restituição do Imposto de Renda 2020

A consulta que iniciou no dia 22 é para o 1º lote da restituição, que será paga no dia 29 de maio

restituição Imposto de Renda 2020

A Receita Federal abriu nesta sexta-feira, às 9h, as consultas ao primeiro lote de restituição do Imposto de Renda de Pessoa Física, relativo a 2019. O empregador doméstico que já entregou sua Declaração Anual de Imposto de Renda, já pode realizar a consulta, o pagamento do 1º lote da restituição será pago no dia 29 de maio.

Esta é a primeira vez que as restituições começam a ser pagas ainda no período de entrega das declarações.

 

Como fazer a consulta?

As consultas poderão ser feitas no site da Receita Federal, acesse clicando aqui, através do telefone 146 ou no aplicativo da Receita para tablets e smartphones.

 

Contemplados no 1º lote de restituição

Como nos anos anteriores, o primeiro lote de IR contemplará contribuintes com prioridades legais, sendo eles: idosos acima de 80 anos, contribuintes entre 60 e 79 anos, contribuintes com a alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave.

O empregador que se enquadra em alguma dessas categorias, irá receber a restituição no dia 29 de maio.

 

Prazo para a entrega do Imposto de Renda 2020

Devido a pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), a Receita Federal adiou o prazo de entrega da declaração anual de Imposto de Renda Pessoa Física para 30 de junho. Vale lembrar que este ano, o empregador doméstico não terá a dedução do INSS do empregado doméstico. Entenda porquê o empregador não tem mais esse benefício.

 

Saiba quem precisa entregar a declaração de Imposto de Renda em 2020

Está obrigado a apresentar a Declaração de Ajuste Anual 2020 pessoa física residente no Brasil que, no ano-calendário de 2019:

1 – Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 28.559,70;

2 – Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00;

3 – Obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

Menu do blog

Mais Acessados