Empregada doméstica gestante pode voltar a trabalhar após receber vacina?

Empregada doméstica gestante pode voltar a trabalhar após receber vacina?

Projeto de Lei aguarda aprovação no Senado para que o INSS assuma o pagamento das empregadas gestantes

gestante

No último dia 7, a Câmara aprovou o Projeto de Lei 2058/21, que estabelece medidas sobre o trabalho de gestantes durante a pandemia, prevendo sua volta ao presencial após imunização. Esse projeto melhora e atende a demanda dos empregadores domésticos, fazendo com que o INSS arque com o pagamento de um salário-maternidade para a empregada afastada, que ainda não está imunizada. Atualmente não há este critério. O empregador tem que pagar a remuneração integral, mantendo a funcionária em casa. O projeto aprovado (da relatora deputada Paula Belmonte) é um substitutivo da Lei 14151.

Segundo o presidente do Instituto Doméstica Legal: “O Projeto é um grande avanço para o emprego doméstico, principalmente beneficiando o empregador, pois no emprego doméstico não há como ter trabalho remoto. E hoje, quem está pagando o salário da gestante afastada é o patrão, que está sendo prejudicado”.  É importante destacar que o salário maternidade não é igual ao salário de carteira. Ele é pago por uma média de contribuição. Isso pode diminuir um pouco o salário da gestante. Mas isso vai impactar trabalhadoras com salário mais alto.

A lei 14151 foi criada para proteger a gestante, sem gerar ônus para o governo e hoje, aprovando o Projeto de Lei 2058/21, pouquíssimas gestantes serão afastadas, por conta do aumento da vacinação. Mas este projeto já é uma melhoria a lei anterior, pois também acaba com a discriminação contra a mulher. Muitas trabalhadoras estavam sendo discriminadas por estarem em idade fértil e algumas foram mandadas embora. O empregador estava com medo de contratar e está funcionária engravidar.

Vale destacar que o Instituto Doméstico Legal desde que a Lei 14151 foi criada ele foi contrário que o empregador arcasse com o salário da gestante afastada, principalmente pelo emprego doméstico não ter trabalho remoto. Em agosto demos entrada na comissão participativa de uma sugestão de Projeto de Lei que foi aprovado e virou o PL 3073/2021 que pedia que todo o custo, durante o período de gestação, fosse pago pela previdência.

É importante destacar, que se a gestante não quiser tomar a vacina, ela assina um Termo, e continua trabalhando normalmente sem nenhum afastamento.

Neste PL incluíamos toda a mulher gestante contribuinte. A lei hoje só cobre as com carteira assinada. Temos milhares de mulheres contribuintes autônomas e como micro empresárias individuais, que não estão sendo atendidas”.

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

🔎 Não achou o que procurava?

Faça sugestões de novos conteúdos