RJ: (21) 2518-3099 | DEMAIS ESTADOS: 4003-3367

Empregada doméstica gestante pode ter contrato suspenso e redução salarial?

Empregada doméstica gestante pode ter contrato suspenso e redução salarial?

O empregador precisa ficar atento ao tempo de gestação da doméstica para escolher a melhor opção para ambos

doméstica gestante

Uma dúvida pertinente e recorrente da Medida Provisória 936/2020, que permite a suspensão do contrato de trabalho e a redução da jornada e salário do trabalhador doméstico, é se a empregada doméstica gestante se enquadra nessas situações. Sim, ela se enquadra, mas existem alguns pontos que precisam ser analisados, em conformidade com a lei.

É importante observar o tempo de gestação da empregada, uma vez que a suspensão do contrato pode ser por até 60 dias e a redução de até 90 dias. A licença-maternidade pode ser antecipada até 28 dias que antecedem o parto, e o empregador doméstico precisa ficar atento a esses pontos antes de tomar alguma decisão, para que a empregada não entre de licença-maternidade durante o acordo

 

Existe carência para a licença-maternidade no emprego doméstico?

A empregada doméstica não tem carência de contribuição para solicitar o salário-maternidade. Neste caso, o empregador pode fazer a suspensão ou redução da jornada e salário de uma empregada gestante sem problemas.

A doméstica que entrar em licença-maternidade, tem direito ao salário-maternidade por 120 dias (prazo da licença). Se o contrato estiver suspenso e a doméstica entrar em licença, o empregador deverá comunicar a antecipação do retorno através do site do Ministério da Economia para que o governo pare de pagar o benefício emergencial e seja liberado o salário-maternidade.

Saiba como fazer alterações no site do Ministério da Economia

 

Como fica o recolhimento do INSS durante os meses de suspensão da gestante?

O empregador doméstico não faz esse recolhimento durante o período de suspensão temporária do contrato de trabalho. De acordo com o Inciso II, parágrafo 2º do Artigo 8º da Medida Provisória 936: “ficará autorizado a recolher para o Regime Geral de Previdência Social na qualidade de segurado facultativo”. Isto quer dizer que, se a empregada doméstica quiser que o tempo de suspensão seja utilizado para contagem de tempo de serviço, para fins de benefícios previdenciários como aposentadoria, ela poderá fazer a contribuição do INSS destes meses de forma facultativa (escolha própria). De acordo com Mario Avelino, presidente da Doméstica Legal, se a empregada doméstica gestante não quiser fazer o recolhimento, “não haverá prejuízo algum”, em suas palavras.

Saiba como funciona a contribuição na qualidade de segurada facultativa clicando aqui

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

Menu do blog

Mais Acessados