Empregada doméstica gestante: Doméstica Legal cobra medidas ao governo sobre pagamento de salário e afastamento

Empregada doméstica gestante: Doméstica Legal cobra medidas ao governo sobre pagamento de salário e afastamento

A Medida seria para corrigir as falhas da Lei 14.151, com a aprovação de uma licença-maternidade paga pelo INSS

Empregada gestante

O presidente do Instituto Doméstica Legal, Mario Avelino, enviou, por e-mail, uma carta ao Presidente da República, com cópia para o Gabinete do Ministro Paulo Guedes solicitando a edição de uma Medida Provisória, ainda este ano, visando corrigir as falhas da Lei 14.151/2021, tendo por base o Projeto de Lei PL 2.058/2021. A Lei afasta a trabalhadora grávida do trabalho presencial e passa a obrigação do pagamento de salário para o patrão doméstico.

Segundo o Instituto, o emprego doméstico foi um dos mais prejudicados pela Lei, já que todo o trabalho é presencial e o patrão doméstico não consegue arcar com dois salários: o da empregada afastada e também de uma substituta.

O resultado prático da Lei 14.151 de 13/05/2021, desde a sua criação, é o aumento de demissões de mulheres. Também, a discriminação da mulher em idade de engravidar para arrumar emprego, prejuízo as empresas e, principalmente para os patrões domésticos, que estão pagando o salário e recolhendo os impostos de suas empregadas afastadas por gravidez.

Outra consequência negativa são as várias ações na justiça de empresas e patrões domésticos prejudicados, e a justiça tem dado ganho para os empregadores.

 

Proposta de mudança na legislação atual

O Projeto de Lei PL 2.058/2021, um substitutivo da Lei 1415, foi aprovado na Câmara dos Deputados em outubro/2021 com uma Emenda no Senado Federal em 16/12/2021, porém, por encerramento da última sessão do Plenário da Câmara dos Deputados não foi votado antes do recesso, ficando para fevereiro de 2022.

“Por uma questão de justiça social e respeito a milhões de mulheres e empregadores, não é aceitável esperar que a Câmara vote este projeto após o retorno do recesso parlamentar em fevereiro de 2022. Queremos uma Medida Provisória”, diz o Presidente do Instituto.

 

Afastamento pelo INSS

Já o Projeto de Lei 2.058/2021, determina que a empregada gestante que não pode tomar a vacina ou ainda não foi vacinada, é afastada de imediato por licença-maternidade, passando o salário a ser pago pelo INSS, em vez do patrão doméstico ou da empresa.

O empregador doméstico que hoje tem uma empregada gestante, para de pagar imediatamente o salário que vinha pagando desde maio de 2021. Na proposta do Projeto de Lei, a empregada imunizada com duas doses ou dose única voltaria ao trabalho imediatamente, ou se ela se negar a se vacinar, também retorna ao trabalho assinando um Termo de Risco. Atualmente não há este critério e o empregador tem que pagar a remuneração integral, mantendo a funcionária em casa.

Vale destacar, que o Instituto Doméstico Legal, desde que a Lei 14.151 foi criada, foi e é contrário que o patrão assuma integralmente o salário da gestante afastada, principalmente por quê no emprego doméstico não há a possibilidade de trabalho remoto. Em agosto, o Instituto deu entrada na Comissão Participativa Legislativa em uma sugestão de Projeto de Lei, aprovado e virou o PL 3073/2021, pedindo que todo o custo, durante o período de gestação, fosse do INSS.

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

🔎 Não achou o que procurava?

Faça sugestões de novos conteúdos