RJ: (21) 2518-3099 | DEMAIS ESTADOS: 4003-3367

Como fica o INSS da empregada doméstica durante a suspensão do contrato de trabalho?

Como fica o INSS da empregada doméstica durante a suspensão do contrato de trabalho?

O empregador doméstico não tem obrigação de fazer a contribuição, mas pode ajudar a doméstica nesse período de quarentena

INSS

O artigo oitavo da Medida Provisória 936/2020, dispõe sobre as medidas trabalhistas durante a crise causada pelo Covid-19 (coronavírus). Através dela, o empregado doméstico em comum acordo com o seu empregador pode ter o contrato de trabalho suspenso por até 60 dias e sua jornada e salário reduzidos por até 90 dias. Mas uma dúvida recorrente é o que acontece com o INSS da doméstica quando contrato de trabalho fica suspenso o mês inteiro. O que isso pode causar?

Enquanto o contrato estiver suspenso, o governo possibilitou ao trabalhador recolher o INSS do período de suspensão como contribuinte facultativo, esta medida garante que o empregado não perca a qualidade de segurado, garantindo seus direitos aos benefícios previdenciários. É importante lembrar que durante a suspensão do contrato de trabalho, o governo irá pagar ao trabalhador o Benefício Emergencial, calculado com base no valor do seguro-desemprego.

A Doméstica Legal reuniu algumas dúvidas sobre o assunto para que, tanto o empregador quanto o empregado doméstico, possam entender a importância da contribuição caso o contrato de trabalho seja suspenso.

 

1 – O empregador doméstico precisa recolher o INSS do trabalhador?

Não haverá contribuição do INSS por parte do empregador.

 

2 – O empregado doméstico é obrigado a recolher o INSS do mês em que esteve totalmente suspenso?

O empregado não é obrigado a fazer o recolhimento do INSS no mês de suspensão total, ele é facultativo – opcional (conforme Inciso II do Parágrafo 2º do artigo 8º da MP 936).

O presidente do Instituto Doméstica Legal, Mario Avelino, diz que o recolhimento seria maior do que o descontando no mês a mês pelo empregador: “as alíquotas possíveis são de 5%, 11% sobre R$ 1.045, ou 20%, quando o empregado escolhe em recolher sobre o seu salário contratual. Para evitar esta contribuição maior, poupar este dinheiro para outras necessidades e, sem contar a complicação que é gerar a guia para o recolhimento. Sugiro que o empregado não faça esta contribuição, a não ser que ele se enquadre em questões específicas que possam gerar prejuízo a ele”.

O especialista em emprego doméstico ainda cita dois exemplos de situações que a doméstica “perderia” dinheiro, pois estaria recolhendo um valor maior do que o que seria descontado na folha de pagamento mensal:

  • Uma empregada doméstica que ganha R$ 1.045,00 teria um desconto de INSS no pagamento mensal de R$ 78,38 (7,5%). Mas se for contribuir como facultativa, a alíquota é de 11%, equivalente a uma contribuição de R$ 114,95, um valor de R$ 36,57 a mais.
  • Uma empregada doméstica que ganha R$ 2.000,00 teria um desconto de INSS no pagamento mensal de R$ 164,33 (8,21%). Mas se for contribuir como facultativa, a alíquota é de 20%, equivalente a uma contribuição de R$ 400,00, um valor de R$ 235,67 a mais.

Se o empregado for recolher o INSS do mês de afastamento, Avelino, recomenda:

  • Para o empregado que ganha até R$ 1.406,00, usar o Código de Pagamento 1929 –  FACULTATIVO BAIXA RENDA, que tem uma alíquota de 5%sobre o valor fixo de R$ 1.045,00, que dará uma contribuição de R$ 52,25 no mês de suspensão integral;.
  • Para empregados que ganham mais de R$ 1.406,00, usar o Código de Pagamento 1473 – FACULTATIVO – OPÇÃO 11%, que tem uma alíquota de 11%sobre o valor fixo de R$ 1.045,00, que dará uma contribuição de R$ 114,95 no mês de suspensão integral;

 

3 – Quais prejuízos o empregado doméstico pode ter caso não faça o recolhimento de forma facultativa?

Os empregados com contrato inferior a 12 meses no emprego atual, poderão ter perda nas seguintes situações, conforme orientação do especialista Mario Avelino:

Auxílio-doença: para ter direito ao benefício é preciso ter 12 meses de contribuição nos últimos 24 meses, a não contribuição por 1 ou 2 meses, pode ocasionar problemas se o trabalhador vier a precisar do benefício. Se o empregado tiver trabalhado antes, tem que ter o mínimo de seis meses de contribuição ao INSS.

Seguro-desemprego: o seguro é devido aos trabalhadores domésticos mandados embora justa causa, nesta situação, para ter direito ao benefício, é preciso ter o mínimo de 15 meses de contribuição ao INSS nos últimos 24 meses.

 

4 – Quais são os prazos de carência para ter direito aos benefícios previdenciários?

Benefício Tempo de Carência
1 – Aposentadoria por Idade 180 meses
2 – Pensão por morte e auxílio-reclusão (se o cidadão não estiver recebendo auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez).

* Observação: a duração do benefício pode variar conforme a quantidade de contribuições do instituidor, entre outros fatores. Veja detalhes nas páginas sobre pensão por morte e auxílio-reclusão.

Não há (*)
3 – Auxílio-doença / Aposentadoria por invalidez 12 meses
4 – Salário-maternidade (Contribuinte Individual, Facultativo, Segurado Especial) 10 meses
5 – Salário-maternidade (Trabalhadora Avulsa, Empregada, Empregada Doméstica) não há
6 – Salário-maternidade (Contribuinte Individual, Facultativo, Segurado Especial) 10 meses

 

5 – Se for decidido pelo empregado que haverá recolhimento, quem deverá fazer: o empregado ou empregador doméstico?

A obrigação é do empregado. Mas nada impede que o empregador faça fazer este recolhimento para seu empregado. Mario Avelino diz que “é uma forma de ajudá-lo, ou até adiantar este valor, fazendo o recolhimento e descontando futuramente no próximo salário”.

 

6 – Como o recolhimento deve ser feito?

Se o empregado quiser fazer o recolhimento do INSS como contribuinte facultativo, deverá ser emitida a Guia da Previdência Social (GPS), clique aqui e veja o passo a passo completo para emitir a GPS.

O vencimento da Guia da Previdência Social (GPS) será no dia 15 do mês seguinte a competência, por exemplo, a GPS de abril venceu no dia 15 de maio de 2020, a de maio irá vencer no dia 15 de junho de 2020.

IMPORTANTE: o empregado que ficou o mês de abril totalmente suspenso, e vai recolher após o dia 15 de maio, não haverá multa por atraso

 

7 – Sou cliente Doméstica Legal, como irá funcionar?

Nossos clientes dos planos Personal e Exclusive poderão solicitar a Guia da Previdência Social ao consultor sem custo adicional.

 

8 – Doméstica Legal, eu não quero ter trabalho! Me ajuda?

Com toda certeza ajudamos. Deixe conosco toda a parte burocrática deste processo, nós fazemos a emissão da guia de INSS sobre a suspensão de contrato de trabalho. Quer saber mais e como funciona? É só clicar aqui.

Compartilhe esta publicação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Cadastre seu e-mail e fique sempre atualizado

Deixe seu comentário sobre este post

Menu do blog

Mais Acessados