• RJ: (21) 2518-3099 | DEMAIS ESTADOS: 4003-3367

6 dúvidas dos patrões sobre as férias do empregado doméstico

6 dúvidas dos patrões sobre as férias do empregado doméstico

Conheça os encargos que incidem, entenda o que é abono pecuniário, o que pode aparecer no recibo e como proceder na rescisão da empregada

férias empregado doméstico

A cada 12 meses de serviços prestados para o mesmo empregador todo trabalhador doméstico tem direito a gozar férias. O direito é válido para todas as jornadas com algumas variações de duração das férias de acordo com a jornada diária expressa em cada contrato de trabalho. O tema férias é bem extenso e gera dúvidas nos empregadores que também não sabem como proceder com relação aos encargos sobre o período. Outros questionamentos surgem com relação às férias vencidas ou proporcionais.

A situação fica ainda mais complicada quando o empregador doméstico decide demitir o empregado. Na rescisão ele precisa quitar as férias vencidas e proporcionais, se houver. A Doméstica Legal reuniu as principais questões relativas às férias dos empregados domésticos com orientações e bases legais para ajudar os empregadores a se manterem sempre dentro da lei.

 

1 – Duração das férias

Os empregados que trabalham mais do que 25 horas semanais e também aqueles que possuem jornada fixada em 12 horas por 36 têm direito a 30 dias de férias, a cada 12 meses de trabalho. O período de férias, porém, varia de duração para os empregados contratados em regime de jornada parcial. Veja a quantidade de dias de férias devidos para cada caso na legislação:

Art. 3o § 3o  Na modalidade do regime de tempo parcial, após cada período de 12 (doze) meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a férias, na seguinte proporção: 

I – 18 (dezoito) dias, para a duração do trabalho semanal superior a 22 (vinte e duas) horas, até 25 (vinte e cinco) horas; 

II – 16 (dezesseis) dias, para a duração do trabalho semanal superior a 20 (vinte) horas, até 22 (vinte e duas) horas; 

III – 14 (quatorze) dias, para a duração do trabalho semanal superior a 15 (quinze) horas, até 20 (vinte) horas; 

IV – 12 (doze) dias, para a duração do trabalho semanal superior a 10 (dez) horas, até 15 (quinze) horas; 

V – 10 (dez) dias, para a duração do trabalho semanal superior a 5 (cinco) horas, até 10 (dez) horas; 

VI – 8 (oito) dias, para a duração do trabalho semanal igual ou inferior a 5 (cinco) horas

 

2 – Vender parte das férias, como funciona o abono de férias

A lei garante ao empregado o direito de “vender” 1/3 do tempo das férias para o empregador. Na prática isto significa que o trabalhador continua exercendo suas atividades normalmente durante os dias “vendidos”, este período será convertido em abono pecuniário.

Para que o empregado tenha direito a fazer esta conversão ele precisa requerer junto ao empregado em até 15 dias antes do término do período aquisitivo que antecede o mês das férias.

 

3 – Como fica o DAE no mês das férias

As férias devem sempre ser informadas no eSocial. O empregador deverá ainda informar a base de salário do mês no movimento de pagamento, dentro do sistema do governo.

 

4 – Adiantamento do 13º salário junto com as férias

Caso o trabalhador deseje, poderá solicitar ao empregador um adiantamento de 50% do valor do 13º salário que deverá ser pago junto ao pagamento de férias.  O empregador poderá avaliar a possibilidade de conceder este adiantamento, não sendo obrigado a atender à solicitação.

 

5 – Recibo de férias

Na hora de gerar o pagamento e o recibo de férias o empregador precisa levar em conta as horas extras realizadas ao longo do ano aquisitivo e o adicional noturno, se o empregado tiver feito jus a estes valores ao longo do ano, eles incidem como média no pagamento das férias.

O empregador não pode utilizar o pagamento das férias para descontar empréstimos ou adiantamentos feitos ao empregado e nem ressarcimento por danos materiais causados pelo trabalhador. Os únicos descontos que podem estar presentes no recibo de férias são: INSS e Imposto de Renda de Pessoa Física.

 

6 – Como proceder com relação às férias da empregada na demissão

Se o empregado tiver férias vencidas o valor deverá ser quitado na rescisão, o mesmo é válido para as férias proporcionais. Nas duas situações não incidem INSS, FGTS e IR sobre os valores, os recolhimentos acontecem apenas quando o empregado goza o período de férias.

Nos casos em que o trabalhador está prestes a tirar férias e o empregador decidi pelo encerramento do vínculo empregatício poderá pagar, inclusive estas férias no momento da rescisão, se isentando dos valores relativos ao INSS, IR e FGTS.

Caso a opção seja por conceder as férias primeiro ao empregado e posteriormente o dispensar, então o empregador deverá recolher o INSS e IR ( se houver), e depositar o FGTS relativo às férias antes de fazer a rescisão.

Vale destacar também que o empregador não poderá dispensar o empregado durante o gozo das férias e nem conceder férias de 30 dias e ao mesmo tempo aplicar o aviso prévio trabalhado.

As informações foram úteis? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Deixe seu comentário sobre este post